Autoconhecimento e escolha de carreira

Autoconhecimento e escolha de carreira

/
6 de junho de 2022
/
6 de junho de 2022

Uma das frases famosas do Einstein diz o seguinte: “Todo mundo é um gênio. Mas, se você julgar um peixe por sua capacidade de subir em uma árvore, vai gastar toda a sua vida acreditando que ele é estúpido.”

Quanto mais nos conhecemos, mais nos aproximamos da possibilidade de nos tornarmos gênios e nos distanciamos da estupidez.

O que torna as pessoas bem sucedidas em suas carreiras, está relacionado não só ao conhecimento técnico deste professional, mas também as suas competências comportamentais para performar bem em determinada área ou trilha específica de carreira.

Aliás, vale ressaltar que as competências comportamentais têm um peso de 50% na avaliação global de um profissional quando avaliamos se ele é um talento em potencial para determinado trabalho.

Posto isto, está fundamentada a importância de mapear perfil para conseguir fazer uma escolha de carreira acertada.

Quando falamos em escolha de carreira acertada, não nos referimos apenas a ser um profissional bem sucedido, mas principalmente a ser uma pessoa e profissional feliz no seu dia a dia.

Afinal, estamos neste mundo para, antes de sermos bem sucedidos, sermos felizes.

As pessoas passam a maior parte do dia no ambiente ou contexto de trabalho, e muitas vezes realizando tarefas que nada têm a ver com sua natureza. Isso traz consequências negativas físicas e emocionais.

Por esse motivo, é preciso levar em consideração o perfil comportamental.  

Alguém bastante agitado e dinâmico por exemplo, dificilmente estará satisfeito realizando uma tarefa que requeira paciência e concentração.

Mas em compensação, estará muito bem aproveitando em um cargo ou função que requeira agilidade e mobilidade como prioridade.

Parece “chavão” e “blábláblá” antigo, mas na prática ainda encontramos um cenário de bastante desalinhamento entre o perfil versus a demanda da posição escolhida na carreira.

E não é só nos profissionais mais seniores não, é nos bem jovens também. Por isso, o alerta.

Está comprovado que as pessoas que fazem escolhas de carreira alinhadas ao seu perfil comportamental são pessoas mais realizadas e realizadoras.

Contribuem mais para a sua área, seu meio, seu mundo. Por performarem melhor, tem a sua motivação e satisfação no trabalho retroalimentadas.

Existem diversas formas que podemos elevar o nosso autoconhecimento e saber com mais precisão a respeito das nossas competências comportamentais.

Alguns caminhos:

  • Aproveitar os feedbacks verdadeiros que recebemos de líderes, colegas de trabalho, parceiros, amigos e principalmente de pessoas que representem uma inspiração pra nós. 
  • Fazer a aplicação de uma ferramenta de Análise de Perfil. Hoje em dia, no mundo organizacional, existem diversas ferramentas que são capazes de analisar de forma concreta e objetiva o perfil comportamental das pessoas,  suas principais habilidades, identificando potenciais e possíveis áreas de desenvolvimento.
  • Processo Terapêutico: independente da linha teórica e prática  de psicoterapia que se escolha, se permitir a uma terapia é sempre um mergulho muito válido em si mesmo.
  • Workshops e programas de desenvolvimento abertos. A gama que existe é muito ampla e aqui a recomendação é: vale tudo! Vale tudo o que estiver alinhado com os teus valores, preferências, estilo e forma de levar a vida. Desde um programa mais voltado a desafios até um que te conecte mais com a tua paz interior. Só é importante que você se sinta chamado e não forçado.

Enfim, permita-se ficar mais “cara a cara” com a sua essência.

Se conecte e tenha atitudes que contribuam com seu  processo de autoconhecimento e consequente desenvolvimento.

Desta forma, você certamente será mais assertivo na escolha do caminho profissional a seguir.

Cada indivíduo deve ter consciência de si mesmo, de suas forças e fraquezas para que possa ser o protagonista de sua carreira. Sem autoconhecimento não há protagonismo.

Carolina Fuhrmeister
Colunista
Psicóloga e Co-Founder da Grou
Compartilhe:
Comentários:

Artigos relacionados:

por Maurício Refatti
em Verdade
Afinal, o que é mais determinante para sermos quem somos, o nosso DNA ou a nossa cultura?
2 de setembro de 2022
Nenhum comentário
por Gabriel Carneiro
em Verdade
“É o meu jeito de mostrar que amo” se tornou uma frase frequente nestes anos todos trabalhando com pessoas, famílias e...
6 de maio de 2022
Nenhum comentário
>